Skip to main content

Novas imagens de O Hobbit: A desolação de Smaug

Como a maioria de vocês já deve saber, foram liberadas 3 novas fotos do próximo filme baseado no Hobbit de J.R.R.Tolkien e dirigido por Peter Jackson, O Hobbit: A desolação de Smaug, vocês podem conferir as imagens abaixo e basta clicar nelas para vê-las em HD:

Luke Evans é Bard, o arqueiro.
Lee Pace é o Rei Elfo, Thranduil.
Bilbo & Companhia

Estou aqui contando os dias para a estreia! Levanta a mão quem eu vou encontrar nos cinemas no dia 13 de dezembro! *-*

Assisti: Invocação do Mal

!!ATENÇÃO ESSE POST CONTÉM SPOILERS!! ATENÇÃO ESSE POST CONTÉM SPOILERS!!

Título original: The Conjuring
Gênero: Terror
Duração: 110min
Estréia: 13 de setembro de 2013
Elenco: Vera Farmiga, Patrick Wilson, Ron Livingston, Lorraine Warren, Ed Warren, Mackenzie Foy, Lili Taylor, Joey King, Hayley McFarland, Shanley Caswell, Shannon Kook.
Diretores: James Wan
Roteiro: Carey e Chad Hayes
Avaliação:
Sinopse: Harrisville, Estados Unidos. Um casal (Ron Livinston e Lili Taylor) muda para uma casa nova ao lado de suas cinco filhas. Inexplicavelmente, estranhos acontecimentos começam a assustar as crianças, o pai e, principalmente, a mãe. Preocupada com algumas manchas que aparecem em seu corpo e com uma sequência de sustos que levou, ela decide procurar um famoso casal de investigadores paranormais (Patrick Wilson e Vera Farmiga), mas eles não aceitam o convite, acreditando ser somente mais um engano de pessoas apavoradas com canos que fazem barulhos durante a noite ou coisas do gênero. Porém, quando eles aceitam fazer uma visita ao local, descobrem que algo muito poderoso e do mal reside ali. Agora, eles precisam descobrir o que é e o porquê daquilo tudo acontecendo com os membros daquela família. É quando o passado começa a revelar uma entidade demoníaca querendo continuar sua trajetória de maldades.

Minha opinião: Antes da minha opinião eu quero agradecer a Gleica e o Tarcios, meus amigos que receberam o ingresso para a pré-estréia do Jurrasicast e me levaram com eles. MUITO OBRIGADA, SEUS LINDOS!!!!

O filme começa com um vídeo/documentário sobre o caso da boneca Annabelle (que acaba estando presente em toda a trama do filme) e em seguida são introduzidos os demonologistas Ed e Lorraine Warren, que explicam um pouco sobre os estágios de uma assombração e sobre os objetos que não são possuídos e sim condutores (informação importante!), gostei muito dessa introdução poque ela dá uma veracidade bem interessante para o filme que é baseado em fatos reais.

Depois disso somos apresentados aos Perron, uma típica família americana formada por um casal e suas cinco filhas, mudando para uma fazenda e se organizando para uma nova vida, em seguida, conhecemos a “casa” e o que vemos é uma casa normal dos anos 70, que poderia até ser a casa de campo de uma família dos dias de hoje; são utilizados vários ângulos e uma lente normal, fazendo com que você conheça todos os cômodos e se apeguem aos personagens do filme.

Outro ponto de destaque é a utilização das câmeras que é excelente, a direção não força muito a questão da escuridão, mas ela existe! Durante todo o filme você sente o clima de suspense no ar, mas não sabe o que viu ou se realmente viu alguma coisa, tanto que a primeira aparição de um fantasma é absurdamente sutil, a sensação de que uma ameaça pode vir de qualquer lugar da casa é constante e só vai aumentando até que nós últimos minutos do filme grande parte dos espectadores já estão aterrorizados!

Eu aconselho muito que quem gosta de filmes de terror vá ao cinema para assistir a Invocação do Mal e quem não gosta deve ir também, mesmo sendo um filme assustador a história é muito boa, o tempo e a fluidez do filme são ótimos e os atores são bem convincentes no papel deles!

Eu não sou a maior fã de filme de terror (eu sou muito medrosa mesmo) e mesmo assim gostei muito do filme, além disso ele recebeu a nota A- do CinemaScore (sistema que mede o apelo do filme pela reação do público), tornando-se um dos três únicos filmes de terror dos últimos dez anos a receber uma nota tão alta pelos espectadores (nenhum outro filme de terror recebeu uma nota maior)!

Abraham Lincoln, o caçador de vampiros

Nome original: Abraham Lincoln: Vampire Hunter
Elenco: Benjamin Walker, Mary Elizabeth Winstead, Dominic Cooper, Rufus Sewell, Jimmi Simpson, Anthony Mackie, Robin McLeavy, Alan Tudyk, Marton Csokas, Cameron M. Brown.
Direção: Timur Bekmambetov
Gênero: Suspense
Duração: — min.
Distribuidora: Fox Film
Orçamento: US$ 70 milhões
Estreia: 31 de Agosto de 2012
Sinopse: Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros explora a vida secreta de um dos maiores presidentes dos Estados Unidos em uma história não contada que definiu uma nação. Os cineastas visionários Tim Burton e Timur Bekmambetov (diretor de Wanted) trazem uma voz fresca e visceral para o folclore do vampiro sedento de sangue, imaginando Lincoln como o maior caçador da história dos mortos-vivos. O filme teve origem no livro homônimo de Seth Grahame-Smith.

Nem preciso comentar que o filme vai ser muito bom, né? Deu até vontade de ler os livros do Seth Grahame-Smith. E abaixo os banners do filme:

Empolgados pra assistir o filme? ;D

MIB 3 Resenha

MIB 3: Resenha

Elenco: Will Smith, Tommy Lee Jones, Josh Brolin, Emma Thompson, Nicole Scherzinger, Betty White, Gemma
Arterton, Sharlto Copley, Alice Eve, Michael Stuhlbarg.
Direção: Barry Sonnenfeld
Gênero: Ficção Científica/Ação/Comédia
Duração: 106 min.
Distribuidora: Sony Pictures
Orçamento: US$ 215 milhões
Estreia: 25 de Maio de 2012
Estrelas: ⭐⭐⭐⭐
Sinopse: Em ‘MIB 3′, os agentes J (Will Smith) e K (Tommy Lee Jones) estão de volta… no tempo. J já viu algumas coisas inexplicáveis nos seus 14anos com os Homens de Preto, mas nada, nem mesmo aliens, o deixa tão perplexo quanto o seu parceiro reticente, K. Mas quando a vida de K e o destino do planeta são colocados em jogo, o Agente J vai viajar no tempo para colocar as coisas no lugar. J descobre que há  segredos no universo que K nunca mencionou – segredos que serão revelados quando ele se juntar ao jovem Agente K (Josh  Brolin) para salvar seu parceiro, a agência e o futuro da humanidade.

Crítica:

Fui ao cinema movida pelo sentimento de nostalgia da minha infância, confesso que não existiam grandes expectativas da minha parte em relação a esse filme, já que MIB 2 não foi exatamente o que eu esperava.

Bem, nos primeiros momentos do filme não entendi muito bem o que estava acontecendo, parecia que estava em um dos filmes da Marvel e seus super-vilões e não no tradicional Men In Black. Mas assim que apareceu o Will Smith na tela, o sentimento de estar assistindo a um dos meus filmes favoritos reapareceu. E uma das coisas que mais me surpreendeu foi o fato de o filme seguir a linha cronológica e se passar em 2012.

Mas vamos ao roteiro do filme que é o seguinte, um alienígena altamente perigoso chamado Bóris (Jemaine Clement) consegue escapar da prisão criada especialmente para ele na Lua e volta até 1969 com o objetivo de matar aquele que é o responsável pelos anos em que ficou em cárcere, o agente da MIB, K (Tommy Lee Jones). O que acontece então é que K some do presente e a única pessoa que lembra de sua existência é o seu parceiro o agente J (Will Smith) que volta no passado para encontrar a versão mais jovem de K (Josh Brolin) e impedir o seu assassinato e também a invasão alienígena que acontece no planeta após o desaparecimento de K.

Viagens no tempo sempre são muito interessantes por criar possibilidades de narrativas diferentes das normais e Etan Cohen como roteirista do filme sobre aproveitar todos os ganchos possíveis. Existiam dois Bóris, J conseguia se lembrar de K e a ambientação da maior parte do filme foi nos anos 60 o que deixa o filme com o mesmo ar retrô do MIB I. Nesse filme podemos ver desde os alienígenas com figurinos bizarros aos equipamentos totalmente antiquados, dignos das séries e filmes da época.

Gostei muito também da forma como abordaram vários temas como o passado do agente J e do agente K. Todas as informações bateram e foram fiéis aos outros filmes, mesmo que existam algumas informações adicionais nunca mencionadas antes. As piadas sobre a cultura norte-americana da época da corrida espacial e da revolução de costumes são as melhores, conseguiram inclusive inserir Andy Warhol no filme. Existem ainda as piadas sobre as condições dos negros naquele período e sobre a sisudez do agente K (Tommy Lee Jones) que se reflete na versão mais jovem (Josh Brolin).

E é Brolin que rouba a cena, ele reproduz a atuação de Jones de forma fiel desde as manias até à inflexão da voz, mas o K de Brolin parece mais humano. No entanto, uma outra personagem que me agradou e surpreendeu foi o Griffin(Michael Stuhlbarg), no primeiro momento, achei algo piegas e sem graça, mas com o decorrer do filme adorei a interpretação do ator e a personagem em si que por ser capaz de ver as várias possibilidades do futuro ao mesmo tempo faz com que tenhamos boas piadas no filme.

Só tenho uma coisa a dizer sobre os efeitos especiais: foram perfeitos. Assisti o filme em 3D e em nenhum momento senti a minha vista cansada ou que os efeitos especiais estavam interferindo no filme e a maquiagem dos alienígenas (com destaque para os olhos mecânicos de Boris que me assustaram de verdade e para o cérebro de Griffin que é uma criação extraordinária) é digna do maquiador multi-premiado, Rick Baker.

Concluindo, o filme vale totalmente a pena. As sequências de ação foram muito bem feitas, o filme mantem o ritmo constante, os efeitos especiais não deixam aquém das expectativas e existem momentos surpreendentes  para aqueles que acompanharam os dois primeiros filmes da série. O entretenimento está garantido. Além disso, existe uma possibilidade de diversão extra: tente encontrar no filme famosos como Lady Gaga, Tim Burton, Justin Bieber, Nicole Scherzing e Betty White.